• Share to Facebook
    • Twitter
    • Email
    • Print

March 12, 2012

Compass Group se compromete a eliminar o uso de celas de gestação nos EUA

Humane Society International

A Compass Group, maior empresa de serviços de alimentação do mundo, anunciou que está agindo para eliminar o uso das cruéis celas de gestação para porcas reprodutoras de sua cadeia de fornecimento dos Estados Unidos até 2017. A decisão foi apoiada pela Humane Society of the United States (HSUS) e seu braço internacional, a Humane Society International (HSI). No Brasil, a Compass Group opera a GRSA, sua subsidiária que serve em média 1,4 milhão de refeições por dia e atende aproximadamente 2.000 empresas em todo país.

Na indústria suína, a maior parte das porcas reprodutoras é confinada dia e noite durante seus quatro meses de gravidez em celas de gestação.  Depois do período de gestação, as porcas são alocadas em outras celas para parir, são re-inseminadas e voltam para as celas de gestação. Isso ocorre ciclo após ciclo durante toda a vida do animal, o que resulta em anos de imobilização quase total. As celas medem cerca de 60cm de largura por 2m de comprimento, tão pequenas que as porcas não conseguem sequer se virar. 

“A HSI tem trabalhado há muito tempo para acabar com o uso de celas de gestação e o anúncio da Compass Group nos Estados Unidos é promissor”, afirma Guilherme Carvalho, gerente de campanhas da HSI no Brasil. “Todos os animais merecem um tratamento humano, inclusive os animais criados para consumo”.

O anúncio da Compass Group acompanha o compromisso do McDonald’s em eliminar as celas de gestação na sua cadeia de fornecimento nos Estados Unidos. O maior suinocultor do mundo, a Smithfield Foods, já se comprometeu a não mais confinar as porcas em celas de gestação nas suas unidades de produção nos Estados Unidos a partir de 2017. A Cargill, outro grande suinocultor nos EUA, já eliminou o uso das celas de gestação em 50% de sua produção. Nos Estados Unidos, oito estados já baniram essa prática de confinamento. O governo central da Nova Zelândia e o estado australiano da Tasmânia estão fazendo o mesmo.

No Brasil, aproximadamente 1,5 milhão de porcas reprodutoras passam praticamente suas vidas inteiras confinadas em celas de gestação. As celas têm praticamente o mesmo tamanho do corpo das porcas, e por isso as impedem de se exercitar, realizar comportamentos naturais ou até mesmo se virar durante meses. A HSI trabalha no Brasil para eliminar essa cruel prática de confinamento.

A Humane Society International (HSI) e suas parceiras juntas formam uma das maiores organizações de proteção animal do mundo, sendo apoiada por 11,5 milhões de pessoas. A HSI luta pela proteção de todos os animais por meio de orientação de políticas, educação e programas de assistência. HSI: proteção e respeito a todos os animais.

  • Sign Up

    Coloque aqui seu nome e e-mail e fique por dentro das notícias!

  • Take Action
  • Assine nossa petição por uma lei que diminua o sofrimento dos animais criados para consumo Assine nossa petição

Media Contact List2