• Share to Facebook
    • Twitter
    • Email
    • Print

June 13, 2012

Humane Society International promove “Segunda Sem Carne” na Rio+20

Humane Society International

Dada a crescente necessidade de uma maior proteção ambiental, fica cada vez mais evidente que uma das principais causas dos danos ao meio ambiente é a produção anual de mais de 67 bilhões de animais terrestres para consumo humano. Os encontros preparatórios da Conferência das Nações Unidas Sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, começaram esta semana no Rio de Janeiro e a Humane Society International (HSI) participará promovendo a campanha “Segunda Sem Carne” no evento.

A Segunda Sem Carne é um movimento internacional de cunho popular que começou em 2003 na Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health nos Estados Unidos. Seus adeptos tiram a carne do cardápio um dia por semana pela saúde humana e do planeta. Dado o foco da Rio+20 em uma economia verde e no contexto do desenvolvimento sustentável, bem como a atenção para uma produção e padrões de consumo sustentáveis, a HSI acredita que a redução do consumo de carnes deve ser incluída nos debates que ocorrerão durante a conferência.

“Seja qual for o foco das organizações que estarão na Rio+20 - bem-estar animal, mudanças climáticas, florestas, saúde pública, poluição ambiental ou agricultura sustentável - a Segunda Sem Carne está alinhada com a sua missão”, afirma Guilherme Carvalho, gerente de campanhas da HSI no Brasil. “É um movimento que todos podem apoiar”.

Presente em mais de 20 países, incluindo o Brasil, a Segunda Sem Carne também reduz o sofrimento animal. A campanha é apoiada por autoridades científicas como o presidente do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), Rajendra Pachauri, e por inúmeras celebridades como o ex-Beatle Paul McCartney, a apresentadora de TV norte-americana Oprah Wnfrey e o músico e ex-ministro brasileiro do Meio Ambiente Gilberto Gil.

Fatos:

  • A pecuária industrial é responsável por quase um quinto de todas as emissões de gases de efeito estufa causadas por atividades humanas e é reconhecida pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) como um dos “dois ou três maiores responsáveis pelos mais sérios problemas ambientais, em todas as escalas, da local à global”
  • A expansão de pastos para pecuária é um fator chave do desmatamento, principalmente na América Latina
  • Em todo o mundo, nós usamos mais terras para criar e alimentar animais de produção do que para qualquer outro propósito. Mais de 97% do farelo de soja e mais de 60% da cevada e do milho produzidos globalmente são usados para alimentar esses animais
  • A produção animal não apenas prejudica o meio ambiente, mas também causa sofrimento aos animais. Dezenas de milhões de animais no Brasil passam praticamente suas vidas inteiras confinados em pequenas gaiolas ou celas em granjas industriais
  • Todos nós podemos diminuir a nossa pegada ambiental reduzindo nosso consumo de carnes, ovos e laticínios. Mas além dos benefícios ambientais, opções de alimentos sem carne ajudam a melhorar a saúde como um todo. Muitas doenças crônicas podem ser prevenidas, tratadas e, em alguns casos, revertidas com uma dieta de origem vegetal.

Saiba mais

Leia Comendo pelo meio ambiente

Explore o Guia HSI para uma Alimentação Sem Carne e veja deliciosas receitas vegetarianas

-30-

Siga a HSI no Twitter.

A Humane Society International (HSI) e suas parceiras juntas formam uma das maiores organizações de proteção animal do mundo, sendo apoiada por cerca de 11,5 milhões de pessoas. A HSI luta pela proteção de todos os animais por meio de orientação de políticas, educação e programas de assistência. HSI: proteção e respeito a todos os animais. www.hsi.org/