• Share to Facebook
    • Twitter
    • Email
    • Print

October 11, 2012

HSI intensifica trabalho para substituir testes de cosméticos em animais no Brasil

Humane Society International

  • Embora a nova legislação brasileira represente um grande passo na direção correta, ainda há muito a ser feito para acabar efetivamente com os testes em animais no país. ECVAM

Nos últimos anos, o Brasil tem tomado medidas para uma maior aceitação de métodos alternativos aos testes em animais e maior proteção dos animais utilizados nos experimentos de laboratório. A aprovação, em 2008, da primeira legislação do Brasil sobre a proteção dos animais utilizados para fins científicos, a "Lei Arouca", a criação do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA), e o lançamento em 2011 do Centro Brasileiro para a Validação de Métodos Alternativos (BraCVAM) representam o início de um novo quadro institucional que oferece interessantes oportunidades para substituir a experimentação animal no Brasil.

No entanto, apesar desse progresso no papel, requisitos de testes brasileiros continuam a depender fortemente de testes em animais. Em algumas áreas, como a de cosméticos, tais requisitos resultam em experimentações em animais que não seriam necessárias, ou nem mesmo permitidas em outras partes do mundo. Isso mostra o longo caminho que ainda precisa ser percorrido  para que instituições como a BracVAM tornem-se totalmente funcionais, e para que a Lei Arouca seja implementada.

Conscientização

Em novembro, a HSI será coanfitriã do primeiro workshop de ciência regulatória no Brasil. O evento tem o intuito de reunir cientistas, autoridades e empresas de cosméticos do Brasil e do resto do mundo para discutir os últimos desenvolvimentos científicos e regulamentares em matéria de alternativas ao uso de animais em avaliações de segurança para cosméticos por meio de apresentações, mesas redondas e debates.

O workshop é co-organizado pelo Ministério da Saúde do Brasil, CONCEA, o Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e a Associação Brasileira de Cosmetologia (ABC). Seu objetivo é promover um debate bem informado sobre a aplicabilidade das ferramentas modernas para a avaliação da segurança de produtos cosméticos e seus ingredientes sem o uso de animais, assim como as oportunidades para progressos regulamentares nesta área no Brasil.

Doe para apoiar o trabalho da HSI para promover testes sem animais no Brasil e ao redor do mundo.

Ganhando força

O workshop acontece depois da realização de um seminário de formação organizado pelo SECAM (Services and Consultation on Alternative Methods) e o Instituto de Ciências In Vitro – e co-patrocinado pela HSI –  cujo intuito foi  fornecer uma formação prática para as autoridades governamentais e cientistas da indústria sobre métodos de testes sem animais que já são reconhecidos internacionalmente. 

O workshop também dará continuidade aos debates do primeiro simpósio organizado pelo CONCEA em junho de 2012, que reuniu representantes de instituições de pesquisa brasileiras e de outras partes interessadas, incluindo a HSI. O evento do CONCEA foi uma oportunidade para que cientistas e autoridades reguladoras pudessem trocar opiniões sobre a implementação dos regulamentos do CONCEA e da Lei Arouca. Dentre os temas discutidos foram abordados a formação de pessoal na área de bioterismo, as futuras orientações brasileiras para o cuidado e uso de animais de laboratório e o papel das Comissões de Ética no Uso Animal (CEUA) em instituições de pesquisa, entre outras.

  • Sign Up
  • Take Action