• Share to Facebook
    • Twitter
    • Email
    • Print

January 12, 2015

Proposta de modernização dos regulamentos para testes em animais é um progresso bem-vindo na Coreia do Sul, no entanto muito mais precisa ser feito

A campanha #LibertesedaCrueldade da Humane Society International reivindica uma proibição total de testes em animais para ingredientes cosméticos

Humane Society International, Liberte-se da Crueldade

  • imagebroker/Alamy

O ministério da Agricultura, Alimentação e Assuntos Rurais da Coreia, elaborou um plano quinquenal para o bem-estar animal, delineando uma série de propostas sobre a experimentação animal. Essa ação foi recebida com muito entusiasmo pela campanha Liberte-se da Crueldade da Humane Society International. No entanto, a #LibertesedaCrueldade pede que as autoridades sul-coreanas garantam que uma proibição total de testes em animais para cosméticos seja implementada, incluindo tanto produtos finais acabados como ingredientes.

O plano chega depois de vários anos de lobby feito no país pela Humane Society International, pelos advogados de direitos dos animais da Coreia, entre outros, em nome da modernização dos regulamentos sobre os testes em animais. Entre as propostas está a proibição de testes em animais para algumas áreas da toxicologia, como o tabaco e o álcool, a utilização obrigatória de métodos alternativos quando disponíveis e o fim dos testes em animais para cosméticos, tanto de produtos finais acabados como de seus ingredientes.

No entanto, nenhuma das propostas foi implementada elas ainda deverão ser revistas em conjunto com o Ministério de Alimentação e Segurança de Medicamentos, o Ministério da Educação e o Ministério da Ciência. Questões significativas sobre o real impacto da proibição de testes em animais para cosméticos também permanecem, já que na prática a experimentação animal para produtos finais acabados não existe mais na Coreia, não há nenhuma previsão para a proibição de testes em animais para ingredientes, e ainda não está claro se as proibições seriam contingentes sobre a disponibilidade de métodos alternativos à experimentação animal.

Claire Mansfield, gerente global das campanhas #LibertesedaCrueldade da HSI, disse: “O plano de cinco anos do Ministério da Agricultura, Alimentação e Assuntos Rurais  é, certamente, um progresso e um sinal de que os vários anos de lobby da Humane Society International pelo aumento de financiamentos para alternativas que sejam capazes de substituir o uso de animais em testes de toxicologia estão começando a ter um impacto real. Embora a proibição coreana de testes em animais para produtos finais acabados de cosméticos seja uma importante vitória simbólica, poucos animais são verdadeiramente poupados na prática, porque, à exceção dos testes realizados para o mercado chinês, testes para produtos finais acabados de cosméticos em animais já cessaram há mais de uma década dentro da indústria de cosméticos global”.

O que precisamos, e o que a HSI está trabalhando duro para conseguir, é a proibição de testes em animais para ingredientes cosméticos, porque é com eles que esses animais estão sofrendo. A HSI está em diálogo com o Ministério da Agricultura, Alimentação e Assuntos Rurais e com o Ministério de Alimentação e Segurança de Medicamentos para garantir que a proposta de proibição seja formalmente aprovada, incluindo todos os ingredientes, e que ambas sejam implementadas o mais rápido possível.”

A indústria de cosméticos da Coreia compartilha da mesma cautela da HSI. No Daily Cosmetic Journal, a Associação da Indústria de Cosméticos declarou que a proibição de produtos finais acabados terá um impacto limitado, explicando: "Nós examinamos as nossas marcas filiadas em relação ao uso de animais para testes de cosméticos. Nessa análise, 106 empresas responderam ao nosso inquérito dizendo que não fazem qualquer tipo de experimentação em animais para cosméticos".

  • Sign Up
  • Take Action
  • Diga ao Congresso para acabar com a crueldade dos cosméticos Submit

Media Contact List2