• Share to Facebook
    • Twitter
    • Email
    • Print

November 30, 2015

Blumenau se torna a terceira cidade do Brasil a proibir a produção do Foie Gras

Humane Society International

  • Estudos têm mostrado que a alimentação forçada de aves para produção de foie gras provoca dor e ferimentos nos animais. istockphoto

Uma versão anterior deste comunicado de imprensa mencionou que Blumenau havia proibido a venda de foie gras. A política aplica-se apenas à produção de foie gras através de alimentação forçada. O texto abaixo foi corrigido em conformidade.

BLUMENAU, Santa Catarina – Na sexta-feira, Blumenau se tornou a terceira cidade do Brasil a proibir a produção do foie gras por meio de alimentação forçada. A Humane Society Internacional, uma das maiores organizações de proteção animal do mundo, celebrou a medida e emitiu a seguinte declaração através de sua gerente de políticas alimentares no Brasil, Dra. Sandra Lopes.

"A produção de foie gras geralmente envolve forçar um tubo de metal na garganta de patos e gansos a fim de alimentá-los com quantidades exageradas de grãos, de maneira não natural. Nós parabenizamos o prefeito e os vereadores de Blumenau por se posicionarem contra tal crueldade, e esperamos trabalhar com mais governos no Brasil para aprovar leis semelhantes."

Estudos têm mostrado que a alimentação forçada de aves para produção de foie gras provoca dor e ferimentos nos animais. Andar e se movimentar fica cada vez mais desconfortável e difícil enquanto seus fígados aumentam, e a alimentação forçada também pode causar dolorosas contusões, lacerações, feridas ou ruptura de órgãos. As aves também podem sofrer medo e estresse considerável durante a captura e o manejo repetitivo. Algumas fazendas industriais de foie gras amontoam as aves em pequenas gaiolas onde elas não podem se virar ou esticar suas asas.

Mais de uma dúzia de países proibiu a produção de foie gras – incluindo Alemanha, Israel e Polônia. No início deste ano, as cidades de São Paulo e Sorocaba baniram a venda e a produção de foie gras.

Contato de mídia: Carolina Galvani, cgalvani@hsi.org, (11) 98208 9645