• Share to Facebook
    • Twitter
    • Email
    • Print

November 5, 2018

HSI e FAI do Brasil organizam o II encontro técnico sobre sistemas livres de gaiolas para ovos

Humane Society International

  • HSI

SÃO PAULO—No dia 24 de outubro, a Humane Society International (HSI), juntamente com a FAI do Brasil, e com o apoio da Embaixada do Reino Unido, realizou o segundo encontro do movimento corporativo livre de gaiolas na produção de ovos no Brasil. O evento, sediado em Jaboticabal (SP), reuniu produtores de ovos, líderes do setor alimentício, especialistas técnicos e veterinários para compartilhar suas experiências e discutir a implementação bem-sucedida de sistemas de produção de ovos livres de gaiolas no País.

Palestrantes da HSI, da FAI do Brasil, do Grupo Mantiqueira, da Associação Brasileira da Avicultura Alternativa, da Barilla e da Embaixada Britânica compartilharam informações sobre os aspectos técnicos da produção de ovos livres de gaiolas, o movimento global em direção a esses sistemas de produção reconhecidamente mais adequados ao bem-estar animal e a transição das cadeias de abastecimento para ovos livres de gaiolas. A segunda parte do workshop contou com uma visita ao sistema de produção de ovos livres de gaiolas da FAI do Brasil, onde os especialistas da FAI explicaram aos participantes os principais aspectos técnicos e práticas de manejo para uma produção livre de gaiolas bem-sucedida.

Maria Fernanda Martin, especialista em comportamento e bem-estar animal da HSI no Brasil, disse: “Estamos muito felizes com os comentários positivo que recebemos deste encontro, e esperamos continuar promovendo o diálogo aberto e a colaboração entre as várias partes interessadas no País. Queremos garantir que produtores de ovos e empresas de alimentos no Brasil tenham as ferramentas e os recursos necessários para atender com êxito a demanda dos consumidores por produtos com níveis mais elevados de bem-estar animal e garantir um futuro livre de gaiolas para galinhas poedeiras.”

Murilo Quintiliano, diretor executivo da FAI do Brasil, afirmou: “Acredito que o compromisso assumido por grandes empresas do setor alimentício rumo à compra de ovos produzidos por galinhas livres de gaiolas foi muito importante, mas foi o primeiro passo. Nosso desafio agora não é mais ‘o que fazer’, e sim ‘como fazer’. Esse evento aproximou todos os envolvidos na cadeia produtiva e soluções práticas de planejamento, execução e comercialização da produção foram e continuam sendo compartilhadas. Espero que agora, todos compreendam que galinhas livres de gaiola já são uma realidade no País e existem pessoas dispostas a auxiliar a todos que queiram embarcar nesse desafio.”

O bem-estar animal tornou-se uma questão prioritária de responsabilidade social corporativa para empresas no Brasil, resultando em uma grande mudança na indústria de alimentos do País em busca de produtos de origem animal advindos de fontes mais éticas. Dezenas de líderes do setor alimentício no Brasil, incluindo Bunge, BFFC, Unilever, Nestlé, McDonald's e Giraffas, comprometeram-se a utilizar exclusivamente ovos livres de gaiolas em suas cadeias de abastecimento. No ano passado, o maior produtor de ovos do Brasil e da América do Sul, Granja Mantiqueira, lançou sua primeira linha de ovos livres de gaiolas para atender a essa crescente demanda. Nos últimos meses, o Carrefour, maior varejista de alimentos do Brasil, anunciou que só venderá ovos livres de gaiolas em suas cerca de 650 lojas no País.

As galinhas poedeiras no Brasil são normalmente confinadas por toda a vida em gaiolas de arame tão pequenas que não conseguem sequer esticar suas asas completamente. Os sistemas de produção livres de gaiolas geralmente oferecem às galinhas melhor oportunidade para que elas alcancem níveis mais altos de bem-estar, permitindo que as aves expressem mais de seus comportamentos naturais, como movimentar-se livremente, botar ovos em ninhos, empoleirar-se e esticar totalmente suas asas.

FIM

Contato de mídia: Maria Fernanda Martin, mfmartin@hsi.org, + 55 (11) 9 5770 9922